rss
Twitter Facebook Digg Favorites

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Discipulado, de Dietrich Bonhoeffer | Resenha

Faz tempo que não apareço por aqui. Talvez porque Deus estivesse me fazendo passar por um deserto, por um período no qual eu devia ouvir mais e falar menos, bem menos. Foi o que aconteceu. Na verdade, ainda está acontecendo. Deus tem falado muito ao meu coração, seja através da pregação da Palavra, seja através de amigos queridos, seja através de livros escritos por homens sábios, que conhecem a Deus muito melhor que eu, tanto quanto eu quero conhecê-lo.

Um desses livros é o assunto deste texto. Trata-se de Discipulado, escrito em 1937 por Dietrich Bonhoeffer, um teólogo alemão contemporâneo de Hitler, que morreu nas mãos do regime nazista, semanas antes da queda do Führer. Bonhoeffer trouxe, em sua mensagem principal, a permanente preocupação - podemos dizer angústia - de que a Igreja Cristã estivesse buscando uma graça barata, uma graça que justifica o pecado, não o pecador, que não exige nada de nós, como se o homem pudesse fazer o que bem entendesse, na certeza de que todo o preço já foi pago. Ele defendia e pregava sobre a graça preciosa, que para ele "é o tesouro oculto no campo, pelo qual o ser humano vende feliz tudo que possui; é a pérola preciosa, pela qual o mercador oferece todos os seus bens; é o domínio do reino de Cristo, pelo qual o ser humano arranca o olho que o faz tropeçar; é o chamado de Jesus Cristo, pelo qual o discípulo deixa suas redes para trás e o segue."

No magnífico clássico Discipulado, agora retraduzido e publicado pela Editora Mundo Cristão, Bonhoeffer afirma que a graça preciosa chama ao discipulado de Jesus Cristo. O autor conclama a Igreja a uma urgente e séria reflexão sobre o preço que os discípulos pagaram para servir ao Messias. Eles simplesmente seguiram, sem questionar nem ponderar sobre o que significaria obedecer ao Cristo. O livro exorta o leitor a se prontificar a seguir a Jesus, a se aprofundar no seu chamado e tomar sobre si o "jugo suave" e o "fardo leve" prometidos a nós.

Bonhoeffer rumina sobre as Bem-Aventuranças, tão conhecidas e tão citadas, colocando-as como o que há de mais extraordinário em ser cristão, em seguir a Cristo. Logo no começo de tudo, quando Jesus simplesmente começa dizendo "Bem-aventurados...", já aí há beleza e majestade em suas palavras. Diz o autor: "Ele os chama bem-aventurados. Nem pobreza nem renúncia são, por si sós, motivo para bem-aventurança. Apenas o chamado e a promessa, pelos quais os discípulos vivem em pobreza e renúncia, são motivos suficientes."

O chamado é precioso! É obra da graça!

Se tem uma coisa que me impressiona e me tira o fôlego na obra da redenção de Cristo, é o fato de o Eterno ter abandonado sua casa eterna, uma casa sem paredes nem limites, para habitar no corpo de um bebê, nascendo como nós, vivendo como nós, limitado por seus braços e pernas, sentindo tudo o que nós sentimos: dores, lamentos, angústias, fome, frio, sede, calor. Esse é o fato sobre Jesus que me deixa sem ar, sem palavras, totalmente maravilhado porque tudo isso ele fez por mim.

Lendo Discipulado eu não pude deixar de me sentir extasiado diante da precisão com que Bonhoeffer falou comigo, mesmo tendo escrito o livro há 79 anos! Certamente ele também falará com você. 

terça-feira, 30 de junho de 2015

O assim chamado casamento homoafetivo | Lamentando a nova calamidade




Por John Piper


Jesus morreu para que pecadores hétero e homossexuais pudessem ser salvos. Jesus criou a sexualidade e tem um claro propósito sobre como isso deve ser experimentado em santidade e alegria.
Sua vontade é que um homem deixe seu pai e sua mãe e se una a sua esposa, e que os dois se tornem uma só carne (Marcos 10:6-9). Nesta união, a sexualidade encontra seu significado apontado por Deus, seja na unificação físico-pessoal, na representação simbólica, no júbilo sensual ou na procriação frutífera.
Para aqueles que abandonaram o caminho de Deus para a plenitude sexual e se lançaram no intercurso homossexual ou na fornicação heterossexual extramarital ou adultério, Jesus oferece uma misericórdia assombrosa.
"E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus." (1 Coríntios 6:11)
Mas hoje, esta salvação de atos sexuais pecaminosos não foi abraçada. Em lugar disso, houve a institucionalização massiva do pecado.
Em uma decisão de 5 votos contra 4, a Suprema Corte dos Estados Unidos da América determinou que os estados não podem banir o casamento homoafetivo.
A Bíblia não silencia sobre tais decisões. Ao longo de sua mais clara explanação sobre o pecado do intercurso homossexual (Romanos 1:24-27), ela afirma a condenação da aprovação e institucionalização de tal pecado. Embora as pessoas saibam intuitivamente que os atos homossexuais (juntamente com a fofoca, a calúnia, a insolência, o orgulho, a inveja, a infidelidade, a maldade e a avareza) são pecados, eles "não somente continuam a praticá-las, mas também aprovam aqueles que as praticam" (Romanos 1:32). "Pois, como já lhes disse repetidas vezes, e agora repito com lágrimas, há muitos que vivem como inimigos da cruz de Cristo (...) e têm orgulho do que é vergonhoso" (Filipenses 3:18-19).
Foi isso que a mais alta corte dos EUA fez hoje - sabendo que estes atos são errados, "aprovam aqueles que as praticam".
Meu sentimento é que não percebemos que calamidade está acontecendo à nossa volta. A coisa nova - nova para a América e nova para a história - não é a homossexualidade. Esse rompimento está aqui desde que todos nós nos separamos na queda do homem. (E há uma grande diferença entre a orientação e o ato - assim como há uma grande diferença entre minha orientação para o orgulho e o ato de se vangloriar.)
O que é novo não é nem mesmo a celebração e aprovação do pecado homossexual. O comportamento homossexual tem sido explorado e deleitado, e celebrado na arte há milênios. O que é novo é a normalização e a institucionalização. Esta é a nova calamidade.
Minha principal razão para escrever não é organizar um contra-ataque político. Eu não acho que este seja o chamado da igreja. Minha razão para escrever é ajudar a igreja a sentir a tristeza destes dias. E a magnitude do ataque a Deus e à sua imagem no homem.
Cristãos, mais claramente do que outros, podem ver o maremoto de dor que está a caminho. O pecado carrega em si sua própria miséria: "Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão" (Romanos 1:27).
E no topo do poder autodestrutivo do pecado vem, por fim, a ira final de Deus: "imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria. É por causa dessas coisas que vem a ira de Deus sobre os que vivem na desobediência" (Colossenses 3:5-6).
Os cristãos sabem o que está por vir, não somente porque vemos na Bíblia, mas porque temos experimentado o fruto lamentável de nossos próprios pecados. Não podemos escapar da verdade de que nós colhemos o que plantamos. Nossos casamentos, nossos filhos, nossas igrejas, nossas instituições - estão todas atribuladas por causa de nossos pecados.
A diferença é que nós choramos por nossos pecados. Não os celebramos. Não os institucionalizamos. Nós nos voltamos para Jesus, buscando perdão e ajuda. Clamamos a Jesus, "que nos livra da ira que está por vir" (1 Tessalonicenses 1:10).
E em nossos melhores momentos, choramos pelo mundo, e por nossa própria nação. Nos dias de Ezequiel, Deus pôs uma marca de esperança "na testa daqueles que suspiram e gemem por causa de todas as práticas repugnantes que são feitas [em Jerusalém]" (Ezequiel 9:4).
É por isso que estou escrevendo. Não por ação política, mas por amor ao nome de Deus e compaixão pela cidade da destruição.

"Rios de lágrimas correm dos meus olhos, porque a tua lei não é obedecida." (Salmos 119:136)

terça-feira, 15 de abril de 2014

A questão da raiz

"Eis que o semeador saiu a semear..." (Mateus 13.3)


As parábolas que o Senhor Jesus contou são fonte quase infinita de sabedoria e lições para as vidas de quem atentar para elas. No capítulo 13 do Evangelho de Mateus, o Filho de Deus conta a famosa parábola do semeador, segundo a qual um semeador saiu jogando sementes por toda parte: ao pé do caminho, em pedregais, entre os espinhos e em boa terra. Nos três primeiros lugares, as sementes não tiveram tempo suficiente para se tornarem ramos vivos, que dessem frutos bons e cumprissem sua tarefa de servir de alimento.
Mas além de todas as aplicações práticas para a vida cristã que esta parábola nos ensina, ela também fala de uma questão de grande importância no texto bíblico: a raiz. O versículo 6 diz: "Mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz." Uma simples pesquisa da palavra "raiz" em www.bibliaonline.com.br gera mais de 4 páginas de resultados. Isso se deve, talvez, ao fato de a Bíblia ter sido escrita por homens do campo, homens simples, que tinham na agricultura ou na vida nômade seu meio de vida. A raiz era primordial para a vida deles. Os autores da Bíblia sabiam que uma raiz ruim não podia gerar frutos bons; sabiam também que se a semente não criar raiz, de nada serve, senão para ser jogada fora. Mas, uma vez que a semente penetra no solo e desenvolve sua raiz, ela precisa ser boa. Quando a raiz é gloriosa, os frutos também o são: "Porque brotará um rebento do tronco de Jessé, e das suas raízes um renovo frutificará" (Isaías 11:1).
Quando a raiz resiste aos obstáculos naturais e cresce, ela pode gerar árvores, ramos, galhos e frutos. Se não nos agradamos dos ramos e dos frutos, de nada adianta reclamarmos com eles, porque tudo o que os sustenta é a raiz em que estão firmados. Paulo escreveu: "Não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti" (Romanos 11:18).
Assim como aquilo que produzimos em nosso dia a dia diz muito sobre quem nós somos, também os frutos dizem muito sobre a qualidade da raiz, o que a raiz, de fato, é. Lemos em Provérbios que "o ímpio deseja a rede dos maus, mas a raiz dos justos produz o seu fruto" (12:12); e ainda: "O homem não se estabelecerá pela impiedade, mas a raiz dos justos não será removida" (12:3).
Parece uma situação mais do que lógica. Parece, e é. Paulo, ainda escrevendo aos Romanos, afirma: "E, se as primícias são santas, também a massa o é; se a raiz é santa, também os ramos o são" (11:16). O ensinamento, aqui, é simples: se o começo das coisas é santo, o final delas também será. Entretanto, se as coisas começam incorretas, injustas, pecaminosas, ou seja, se sua raiz é o pecado, seus frutos serão pecaminosos.
A vida cristã moderna tem se pautado, muitas vezes, por atitudes pecaminosas que parecem ter conserto. Ouvimos músicas que dizem "Mas tudo que era torto, Jesus endireitou", como se a raiz má pudesse ser transformada em boa num passe de mágica. 
Mas foi o próprio Jesus quem disse: "Toda a planta, que meu Pai celestial não plantou, será arrancada" (Mateus 15:3). Se o fruto que você tem colhido foi plantado na carne, ao sabor da sorte, pelos caprichos humanos e até pela ação do diabo, então este fruto é mau, e os frutos que deles vierem - por meio de suas sementes - também o serão. Preste atenção aqui: estou falando de gerações e gerações de frutos maus por causa de uma única raiz não plantada pelo Senhor, em amor e misericórdia.
Não adianta irmos contra a Palavra. Se o que você tem feito é de raiz má, a solução não é somente orar, pedir perdão, e continuar se alimentando dos frutos gerados por esta raiz. É preciso arrancar a raiz fora e jogar uma semente boa em boa terra, para que nasçam frutos bons e justos, que rendam gerações de justiça, paz e amor. Porque "o homem não se estabelecerá pela impiedade, mas a raiz dos justos não será removida" (Provérbios 12:3).

domingo, 29 de setembro de 2013

Não temerei!

Uma simples afirmação contida na Palavra pode transformar o nosso dia, iluminar nosso caminho e restaurar nossa confiança no futuro, nossa esperança de que a vida vai melhorar e os sonhos se realizarão. No meu caso, hoje, o que me renovou a esperança foi o texto contido em Salmos 56:11:
 
"Em Deus tenho posto a minha confiança; não temerei o que me possa fazer o homem."
 
Esta verdade bíblica parece simples, apenas uma coisa comum que se diz no meio cristão, mas contém uma revelação poderosa do caráter de Deus. Estamos falando de confiança, de medo, de tomada de posição, da natureza humana. Tudo isso contido em somente um versículo, um que já virou lugar-comum, jargão "de crente", mas que é muito, muito mais do que isso.
Note que o versículo não fala de uma atitude divina, mas de uma postura que parte de nós, seres humanos. Digo isso porque Deus está lá, na sua majestade que é a mesma, de eternidade em eternidade; ele não muda nunca. Não depende dele a dádiva de não temermos o que o homem pode fazer a nós. Só depois que depositamos em Deus nossa confiança é que podemos perder o medo. Isso é tremendo! Nós é que, em nossa humanidade plena, precisamos colocar nossa confiança em Deus, para somente então perdermos o medo do mal e da iniquidade.
 
O Senhor se coloca à nossa disposição para derrotar o medo, mas apenas depois de nossa própria atitude é que ele fará isso.
 
"Não temerei" é uma afirmação que vem como consequência de nossa tomada de posição: a de confiar total e completamente em Deus, acima de todas as coisas, aquele que fez o universo e soprou vida em nosso interior, fazendo pulsar nosso coração.
 
Amém!

quinta-feira, 18 de julho de 2013

O silêncio dos bons

"Todos os dias, quando coloco minhas filhas para dormir, me pergunto se alguma delas vai acordar. Eu digo: 'Se uma bomba explodir, talvez vocês vejam sangue, e podem até sentir um pouco de dor. Mas se morrermos, fecharemos nossos olhos e os reabriremos no céu." - Pastor Ouseph, Damasco, Síria.

Navegando no Facebook me deparei com uma postagem sobre os cristãos perseguidos na Síria. É impressionante como nós, vivendo em um país com ampla liberdade religiosa, passamos nossos dias nos preocupando com coisas tão banais do cotidiano enquanto tantas pessoas, irmãos em Cristo, permanecem vivendo sem saber se continuarão vivos no dia seguinte. Trata-se de uma incerteza constante, exceto por uma certeza: a salvação, concedida por Deus através do sacrifício de seu filho Jesus Cristo.
Nós temos tanto. Temos a certeza de que ninguém nos atacará por causa de nossa fé. Temos alimento todos os dias sobre nossa mesa. Temos liberdade para irmos ao templo adorar a Deus publicamente. Não temos a necessidade de ficarmos nos explicando o tempo todo para autoridades e outras pessoas. E me pergunto: quanto disso nós realmente aproveitamos? Quanto tempo perdemos olhando para nossos próprios umbigos enquanto milhões - talvez bilhões - de pessoas vivem à margem da sociedade, vivendo exclusivamente para a próxima refeição, e ainda sem poderem expressar sua fé livremente.

Daí vem o meu apelo: assista este vídeo de Portas Abertas, sobre os cristãos sírios, acesse o site e assine o abaixo-assinado, que será enviado ao governo brasileiro para que este pressione o governo daquele país para dar proteção aos cristãos sob sua autoridade. Não perca a chance de fazer alguma coisa.

E tem mais uma coisa: quando for orar, por favor, não se esqueça de orar por seus irmãos na Síria. Isso é AINDA mais importante.


"O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética... O que me preocupa é o silêncio dos bons." - Martin Luther King

sexta-feira, 15 de março de 2013

A Páscoa contada por crianças

O pessoal da Comunidade do Redentor, de Curitiba, fez um vídeo maravilhoso, com crianças contando e dramatizando a história da Páscoa. Tudo foi feito de uma maneira tão linda e natural, que é impossível não se emocionar. Vale a pena ouvir essa história mais uma vez. Veja e emocione-se também:


segunda-feira, 16 de julho de 2012

Um pouco de poesia



Amigo

Maior que toda a riqueza dos sultões
É o teu amor por nós
Mais perfeita que as pétalas de uma rosa
É a tua glória excelsa
Mais suave que o beijo de uma criança
É o teu consolo
Mais amplos que todo o universo
São teus braços a nos acolher
Mais belo que as montanhas da Escócia
É o teu rosto iluminado
Mais forte que o tremor de um vulcão em erupção
É a tua potente voz

És poesia que nem todos os poetas
Poderiam escrever
És pintura que nem artistas consagrados
Poderiam realizar
És canção que nem os maiores tenores
Poderiam entoar

És amor, paz, salvação
És o mar para onde corre meu rio
És sol e ao teu redor gira meu planeta
És coração que bate e me mantém vivo

És Deus
És Pai
És Filho
És Espírito

És Amigo!


17/03/99